O copywriting é considerado um processo de produção de textos totalmente persuasivos para ações inerentes Marketing e Vendas. Ações como e-mails, catálogos, sites, cartas de vendas e anúncios estão inclusos nisso.

O profissional que desenvolve o texto é chamado de “copy” e é conhecido como Copywriter, mas requer atenção na construção. Por mais que algumas pessoas pensem que uma redação comum, a verdade é que difere um pouco.

É chegada a hora e o momento de entender o que é copywriting, além de todas as informações posteriores. Dessa forma, confira a seguir alguns pontos que diferem um bom texto daquele que não é tão bom assim.

O que é copywriting?

Em primeiro lugar, é necessário entender os motivos para escrever e quais são as razões para prestar atenção nisso. Como dá para imaginar, a escrita tem vários propósitos, por exemplo: marketing, gosto pessoal, etc.

O mais importante é convencer o público-alvo a comprar um produto, serviço e trabalhar com ideia. Nesse cenário, copywriting é a produção de textos e podem ser de vários tipos: slogans, sites, e-mails, ebooks e cartas de vendas.

A ideia central é guiar a audiência para o processo de tomada de decisão e pode ser uma compra direta ou outra ação. Respectivamente, quando alguém fala de outro serviço e também a venda de uma ideia ou um serviço.

Concorda que ambos os textos tem a proposta de convencer a audiência da relevância e da qualidade dos produtos!? Em seguida, por qual razão que vender um produto ou serviço cativa mais do que o primeiro?

O motivo está na diferenciação do que é bom um copywriting daquilo que, nesse momento, não serve. Novas estratégias, como o Marketing Digital de Conteúdo Online e o Inbound Marketing, são alternativas interessantes.

A popularização dessas estratégias nos últimos anos, dá ver que a importância desse profissional também cresceu. A proposta principal é informar o público-alvo, e não conseguir apenas fazer uma propaganda.

Lembre-se: vender é uma meta, porém transmitir a informação daquilo que o público-alvo é mais importante. Descobrir quais são os gatilhos que ajudam nisso é uma enorme vantagem e faz diferença para as partes envolvidas.

Para ter acesso a todas as informações corretas, é primordial saber quais são as falhas que um texto ruim tem. Sendo assim, veja abaixo o que o copywriting não deve fazer para que o processo melhore ainda mais.

Texto “fraco”

Primeiramente, esse é um dos problemas mais comuns que um copywriting ruim pode ter. Ou seja, se o conteúdo não for bom, a chance dar errado é grande e os motivos podem ser os mais variados possíveis.

Um texto com erros gramaticais e com uma linguagem pobre, mas acredite: muitos redatores acabam errando justamente nisso. Os copywriters de qualidade devem ultrapassar essa visão e buscar soluções diferenciadas.

Se você precisar de um copywriting, procure contratar profissionais que tenham qualidade e confirmem em textos já realizados. A diferença entre o preço de um bom e mau redator, é muito menor do que você pensa.

Dica útil: tenha alguém para revisar os textos e diminua a chance de ter erros gramaticais ou de coesão. Igualmente, a proposta é não prejudicar o seu copy e a tendência natural é que o texto cumpra com o objetivo almejado.

Falta de credibilidade

Certamente que não adianta ter um texto impecável, sem que a empresa em questão não passe credibilidade. A audiência pode ser afetada e a melhor opção disponível é prestar atenção nisso, buscando opções diferenciadas.

É fundamental construir uma relação de confiança com o público e o processo pode ser bem diferenciado. Ao mesmo tempo, ter uma relação boa com o cliente não é algo que acontece da noite para o dia e demanda tempo.

O mais importante, antes de mais nada, é mostrar que você tem muita vontade de ajudar o seu público-alvo. Logo após, a empresa demonstra que cumpre com aquilo que promete e a probabilidade de funcionar é maior.

Falta de informações

Lembra daquela frase antiga e que, certamente, você já ouviu “o menos é mais”? Então, quando fala-se de copywriting e o desejo é ter qualidade, a realidade é que ela deve ser usada e você precisa ter atenção nisso.

Nem adianta querer ser o novo Machado de Assis em um texto, porque a sua audiência pode ser formada por públicos diferentes. Do mesmo modo, a ideia central é ter abordagens diferentes e focar apenas em um público-alvo.

Quando você tenta falar com todo mundo ao mesmo tempo e utiliza essa mesma fórmula, a mensagem pode não ser clara. Além disso, existe o risco de acabar sendo genérico demais e esse fato nunca é algo positivo.

Dica exclusiva: fuja ao máximo de tentar a mesma mensagem em todos os casos, porque pode gerar problemas. Em seguida, passa uma mensagem genérica e que acaba não dialogando com nenhuma parte envolvida.

Abusar dos jargões

É muito importante eu cada você descubra o jargão presente no segmento do qual o seu nicho faz parte. Por outro lado, saiba que será muito complicado de eliminar esse jargão e por isso a dica é prestar atenção nisso.

É crucial estar em equilíbrio e fugindo do risco de estar “tão ao céu ou tão ao inferno”, porque pode ser perigoso. Da mesma forma, lembre-se que o público pode não estar tão familiarizado assim com esse ponto.

A melhor opção é usar com moderação e busque ter sempre o cuidado de explicar à sua audiência quais são esses conceitos. Use a linguagem clara e evite o risco de significar algo simplório, porque é preciso ter profundidade.

Citar apenas as características do produto/serviço e esquecer das vantagens

Por fim, é muito importante entender um ponto: não adianta descrever apenas o seu produto ou serviço. O principal é citar as vantagens e pensar na “dor” que o cliente tem, citando o “remédio” para que aquilo passe.

O mais interessante é prestar atenção em tudo o que foi citado aqui e aplicar na hora de fazer o copywriting. Enfim, esse é o recado principal que fica e é chegada a hora de colocar tudo em prática logo.